15 Duplas de animais tão parecidos que acabam sendo confundidos (parte 2)

Todos sabemos que gatos não se parecem com cachorros, mas algumas espécies, por mais diferentes que sejam, ainda nos causam confusões. Afinal, é coelho ou lebre? Jacaré ou crocodilo? Da primeira vez que falamos aqui sobre as duplas de animais parecidos, ficamos imaginando se sabemos diferenciar algumas espécies de animais encontradas aqui no Brasil.

Hoje, o Incrível.club reuniu outros 15 grupos de animais, para você conseguir distingui-los da próxima vez. Além disso, há um bônus bastante curioso. Venha conferir!

1. Lontra e Ariranha

Embora sejam animais semiaquáticos e apresentem algumas semelhanças, não são da mesma família. Para começar a lontra pode medir até 1,30 m, contando com a cauda. Possui pelos marrons claros e curtos, é ótima nadadora e depende das águas limpas, além de ser noturna. Vive na Europa, Ásia, África, Américas — sendo que no Brasil, pode ser encontrada na Amazônia, na Mata Atlântica, no Pantanal, etc.

Já a ariranha é maior, podendo medir até 1,80 m, incluindo a cauda. É um animal de hábito diurno e nativo da América do Sul. Geralmente, possui manchas brancas perto da garganta e membranas que unem os dedos, facilitando a locomoção na água. Uma curiosidade é sua capacidade de emitir em torno de 15 sons diferentes para a identificação dos indivíduos no grupo e também evitar ataques dos predadores.

2. Paca e Cutia

Ambos são roedores, se alimentam de frutas e contribuem para o reflorestamento, ao espalharem as sementes. Porém, a paca é um animal solitário, que abandona seu filhote após o desmame. Mede entre 60 e 100 centímetros de comprimento e seu olfato é bem apurado. Tem o hábito de roer madeira ou objetos duros, para conter o crescimento constante dos dentes, e vive nas florestas tropicais úmidas.

Enquanto isso, a cutia pode medir em torno de 50 a 60 centímetros, seus dentes têm coloração alaranjada. Quando está assustada, eriça seus pelos, para aparentar um tamanho maior. Também emite um som que lembra um latido, assim pode avisar sua família que está em perigo.

3. Onça e Leopardo

Confessamos que nós também confundimos os dois, de tão parecidos que são. Mas aqui estão suas diferenças: a onça-pintada, além de ser o terceiro maior felino do mundo e mais forte, sua cabeça é maior, tem ao longo do corpo manchas em forma de círculo, com uma pinta no interior. Já o leopardo não apresenta essas pintas em suas rosetas, é mais magro e mais ágil. Sua cauda é longa e costuma passar bastante tempo em cima das árvores, além disso, não gosta de água, enquanto a onça pode nadar tranquilamente!

4. Lebre e Coelho

Embora pertençam à mesma família, há muitas diferenças entre as espécies. Para começar, a lebre prefere viver em campos abertos e pastagens. É maior, podendo medir em torno de 68 centímetros, com pelos marrons amarelados ou acinzentados. É solitária e noturna, mais ágil, “grunhe” e range os dentes quando está em perigo, além disso, não convive bem com humanos.

Já o coelho é menor, medindo 44 centímetros e suas orelhas mais curtas. Pode ter variedades de cores e vive em bandos. É mais silencioso que a lebre, cava para fazer sua toca e aprende a conviver com os seres humanos.

5. Touro e Búfalo

Mesmo com algumas similaridades na aparência, a principal diferença ente búfalos e bois, está em seus chifres, que dependendo da espécie podem ser grandes e curvados — como os búfalos-africanos. No caso dos búfalos, tanto os machos quanto as fêmeas os possuem. São mais encontrados nas savanas, em rebanhos que podem ter entre 50 e 500 indivíduos. Por serem selvagens, são considerados um dos animais mais perigosos, além de mais resistentes às diversidades ambientais e a pragas.

Já o boi, nada mais é que um touro adulto já castrado, apesar de na linguagem popular chamarmos tudo de boi. Seus chifres têm a forma pontiaguda. Pode ser domesticado e seus rebanhos são encontrados em várias regiões do planeta.

6. Jacaré e Crocodilo

Com suas semelhanças físicas é fácil confundi-los. Aliás, não são sinônimos. A maior diferença está no focinho, que no jacaré é mais largo, enquanto no crocodilo, mais fino. As mandíbulas desse último possuem o mesmo tamanho, aliás, seu corpo também é maior e em suas escamas há manchas e ondulações nas extremidades da crista, o que os jacarés não apresentam. Enquanto o crocodilo pode nadar em água salgada, o jacaré vive em água doce. Certo é que o crocodilo é extremamente agressivo, já o jacaré, menos propenso a atacar humanos.

7. Golfinho e Boto

Aqui, temos uma diferença que foi criada pelos seres humanos, afinal não há diferença entre eles, pois são da mesma família. Costumamos chamá-los assim, apenas porque um vive em água salgada, enquanto o outro, em água doce. Estamos mais acostumados com o golfinho-nariz-de-garrafa, como o Flipper, por aparecer mais nos filmes. É encontrado nos oceanos e lagos. Pode medir entre 1,9 m e 3,8 m. Diferentemente dos botos, os golfinhos vivem em grupos com cerca de dez membros.

O boto-cor-de-rosa é o maior golfinho fluvial, com cerca de 2,55 m de comprimento. Sua coloração depende da temperatura da água e, por viver em rios turvos, é encontrado nos rios amazônicos. Também é mais solitário, podendo ser visto na companhia de mais três da mesma espécie. Ambos são muito inteligentes e ótimos nadadores.

8. Cervo-do-pantanal e Veado

Embora pertençam à mesma família, o cervo-do-pantanal é encontrado apenas na América do Sul e mede por volta de 1,27 m de altura. É um animal solitário e diurno que se alimenta principalmente de plantas aquáticas. Seus chifres possuem apenas quatro ramificações principais. Já o veado ou veado-vermelho, vive na Europa, Ásia e norte da África. Sua altura varia entre 1,2 m a 2,4 m de comprimento. Os chifres dos machos crescem em forma de galho e ganham mais ramificações a cada ano.

9. Lobo-guará e Raposa

Mesmo com algumas semelhanças, o lobo-guará é uma espécie distinta e não pertence ao grupo dos lobos, coiotes, cães, chacais e raposas. É um animal territorialista, com hábitos solitários e, embora adulto apresente os pelos vermelho-dourados, seus filhotes nascem com a pelagem preta e a ponta da cauda branca. Enquanto isso, a raposa, principalmente a vermelha, é encontrada no hemisfério norte e mesmo aparentando ser solitária, às vezes pode viver em pares. Seu pelo é macio e sedoso, porém exala um odor que pode ser comparado ao de um gambá.

10. Quati e Guaxinim

Os quatis algumas vezes podem ser confundidos com os guaxinins, mas apresentam um corpo mais alongado e o focinho comprido. Vivem em grandes bandos de fêmeas e machos jovens, porém o macho adulto vive sozinho, juntando-se ao grupo apenas em períodos de acasalamento. Com hábitos diurnos, geralmente, dormem no alto das árvores e só descem para se alimentar depois que amanhece. Podem ser encontrados nas Américas.

Já o guaxinim mão-pelada, é um animal solitário, noturno e terrestre, vive próximo a fontes de água e mede em torno de 60 centímetros de comprimento. Além disso, essa é a única espécie de guaxinim que vive no Brasil.

11. Jumento e Burro

O jumento, uma espécie de parente do cavalo, também pode ser chamado de asno ou jegue, dependendo da região do Brasil. Trata-se de uma animal bastante resistente e pode ser encontrado em quase todo o planeta. Já o burro, é resultado do cruzamento do jumento com a égua. A diferença entre eles, é que a orelha do jumento é maior, já em relação ao porte, o burro é mais alto.

12. Borboleta e Mariposa

A maior diferença entre elas está ligada ao repouso das asas e suas antenas. As mariposas mantêm as asas encostadas sobre o dorso, quando estão fechadas, enquanto as borboletas as mantêm erguidas verticalmente ao realizar o mesmo movimento. Outra característica está nas suas antenas: as borboletas as possuem na forma de “cotonete” ou “gancho” e, nas mariposas, as antenas são bipectinadas, isto é, em forma de pente.

13. Gambá e Rato

Eles até são parentes muito distantes, mas os gambás são marsupiais, ou seja, terminam a gestação dos filhotes, que nascem prematuros, em bolsas, como os cangurus. Sua dentição é como a de um cão, por isso, em situações de perigo, os gambás expõem seus dentes, diferentemente dos ratos. Sua cauda auxilia na escalada de árvores e edificações, e seu jato de odor serve para atrair parceiros, ou é usado em situações de estresse extremo. Também podemos identificá-los pelas manchas escuras ao redor dos olhos.

Já os ratos são roedores, não possuem um focinho alongado, nem exalam odores em situações de risco, embora possam deixar um rastro semelhante ao amoníaco.

14. Avestruz e Rhea

A principal diferença entre ambas as espécies é que o avestruz é nativo da África, mede mais de 2,5 metros, vive em grupos e tem rotinas diárias de alimentação, com horários fixos. Com um apetite difícil de saciar, pode ingerir qualquer coisa, incluindo pedras. Já a rhea é nativa da América do Sul, cujo habitat se estende do Brasil à Patagônia. Sua cor é acinzentada, suas asas são maiores e caídas, além disso, seu bico é menor, suas pernas cobertas por penas, e vive em grupos de até 100 indivíduos.

15. Ratão-do-banhado e Capivara

Muitas vezes confundido com a capivara, afinal ambos são roedores herbívoros e semiaquáticos, o ratão-do-banhado (também conhecido como nútria, caxingui ou ratão-d’água), tem como principal diferença a sua cauda longa e grossa, além de pesar até 7 kg. Tem o comportamento solitário e hábitos noturnos, vive às margens de lagoas, rios e banhados, motivo pelo qual recebeu esse nome.

Do outro lado, temos a capivara — o maior roedor vegetariano do mundo — podendo pesar até 91 kg. Diferentemente, não possui cauda. É uma excelente nadadora com hábitos diurnos e noturnos, vivendo em grupos de cerca de 20 indivíduos.

Bônus: Ouriço-cacheiro, Hedgehog e Porco-espinho

Ouriço ou porco-espinho? Aqui está uma dúvida bem espinhosa, afinal esta é a principal características desses animais. O ouriço-cacheiro, ou Porco-espinho brasileiro, pode ser encontrado do Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul, incluindo Minas Gerais. Sua principal defesa são os espinhos que, ao contrário do que muitos pensam, não são arremessados. Assim como muitos animais mencionados nessa lista, ele também tem hábitos noturnos e é um animal solitário.

Natural da Europa, o hedgehog, também conhecido como ouriço pigmeu africano, pode ser criado como bichinho de estimação, afinal, seus espinhos não espetam e ele cabe na palma da mão. Aliás, sua posição de bolinha nada mais é que uma defesa dessa espécie. Mamífero e carnívoro, se alimenta de insetos e raízes, na natureza, e ração de gato, quando domesticado. Apesar de ser ativo, não gosta muito de interações, mas não resistimos e acabamos interagindo mesmo assim, afinal, rende várias fotos.

Já o porco-espinho-de-crista-africano tem patas curtas e se movimenta lentamente, é solitário e vive em tocas ou troncos ocos. Seus espinhos são brancos com pontas pretas e medem 10 cm, enquanto seu corpo, varia entre 60 a 80 cm. Quando se sente ameaçado, se arrepia e agita os espinhos para atingir seu inimigo, que fica ferido gravemente.

Interessante, não é mesmo?! Qual destes animais você sempre confundia? Não deixe de comentar!

Compartilhar este artigo