Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

12 Aspectos que comprovam o trabalho meticuloso da Mãe Natureza nos gatos

Esses seres bigodudos e fofinhos, que são apaixonados por caixas, ainda permanecem uma incógnita para muitos donos. Alguns cientistas se interessam e estudam a fisiologia e o comportamento dos gatos para nos revelar novos fatos sobre eles, e quase sempre somos surpreendidos nas redes sociais com a capacidade e fofura de alguns bichanos.

Nós, do Incrível.club, adoramos gatos, por isso separamos várias informações relevantes sobre eles que provavelmente serão muito importantes para os atuais ou futuros donos de felinos.

  • O gato tem um “item” de higiene único que a natureza embutiu em seu corpo: a língua. Recentemente, alguns cientistas estudaram esse órgão utilizando câmeras potentes. O estudo descobriu que as “espinhas” (chamadas papilas) da língua do gato têm um formato em gancho e são até capazes de virar, o que permite ao animal pentear seu próprio pelo com eficácia. Os pesquisadores acreditam que o estudo cuidadoso da língua desse felino levará ao desenvolvimento de pentes de cabelo mais eficientes e uma série de outras coisas úteis.
  • Provavelmente, todo dono de gato já passou pela situação em que, ao acariciar o animal de estimação descontraidamente, acabou levando uma mordida nas mãos de repente. Na maioria das vezes, esse tipo de mordida é fraca e não provoca machucados, mas não deixa de ser desagradável após uma manifestação de carinho. Com esse gesto, os bichanos costumam indicar que a interação acabou e pedem para ser deixados em paz. Se durante as carícias o gato der uma “mordidela” inesperada, tente seguir a recomendação de especialistas da área de comportamento animal e conte quantas vezes passou a mão antes que o animal o atacasse. Se o acariciou cinco vezes, da próxima vez pare na quarta vez. Vale a pena determinar corretamente os limites pessoais do animal de estimação, e o número de “mordidelas” diminuirá significativamente durante as interações.

  • Além das pálpebras superiores e inferiores externas, o gato também possui uma terceira pálpebra. No canto interno do olho, há uma película branca oculta, que se move ao longo da superfície do olho durante o sono ou ao piscar. Essa pálpebra atua como uma espécie de “para-brisa”, removendo resíduos e distribuindo o fluido lacrimal.

  • Frequentemente, ao acariciar um gato nas costas, ele pode se curvar e levantar a parte de trás do corpo. Não há nada de errado nesse comportamento, pelo contrário, o felino está apenas demostrando uma reação positiva ao afeto. É provável que você tenha tocado em uma área muito agradável para o gato, que geralmente fica na parte inferior das costas, na base da cauda. Mas também há bichanos que não gostam de ser tocados nesse lugar.

  • Assim como usamos nossas mãos para tatear as coisas no escuro, os gatos contam com seus bigodes, que vibram sob quaisquer alterações no ambiente. Esses fios grossos no focinho do animal servem como um sensor para determinar onde cada parte do seu corpo está para que as decisões possam ser feitas para o próximo movimento imediato. Os receptores, localizados nas pontas dos fios, enviam instantaneamente um sinal ao sistema nervoso quando há alguma mudança no ambiente.

  • Às vezes acontece da gata morder o bigode de seus filhotes, quando eles ainda são pequenos. Isso pode ocorrer involuntariamente durante os cuidados maternos, quando a mãe lambe muito suas crias. Mas também um dos motivos é o chamado desejo da gata de controlar seus filhotes, não permitindo que eles se distanciem do “ninho”. Eles também podem morder os fios dos bigodes uns dos outros. Alguns internautas comentaram que gatinhos com comportamento dominante mordem os bigodes dos irmãozinhos mais calmos.

  • O gênero do bichano às vezes pode ser determinado pela pata que ele usa primeiro ao descer escadas, enterrar suas fezes ou brincar. Se o gato usar a pata direita, então provavelmente à sua frente está uma fêmea. Os machos frequentemente usam a pata esquerda.

  • O lendário amor dos gatos pelas caixas é explicado pela sensação de segurança e bom isolamento térmico do papelão. Além disso, alguns cientistas provaram que esse “refúgio” improvisado é capaz de agir positivamente na saúde psicoemocional do animal. Os gatos recém-chegados a um abrigo de felinos foram divididos em dois grupos, e somente um grupo recebeu caixas de papelão. Após três dias, foi possível tirar conclusões: o nível de estresse dos animais com as caixas foi significativamente menor em comparação com os bichanos privados desse privilégio.

  • Assim que descobriram o motivo do amor dos gatos pelas caixas, os bichanos resolveram dar mais um desafio aos pesquisadores: a tendência felina em ocupar espaços retangulares, seja uma toalha dobrada, um jornal ou, para horror do dono, um teclado de computador. Até mesmo se for feito um quadrado de fita adesiva no chão, o gato provavelmente decidirá se encaixar dentro de seus limites. Alguns especialistas sugerem que a ocupação de qualquer área retangular ou quadrada (mesmo que representativa) é uma forma do felino buscar proteção. O “quadrado” no chão, na percepção dos gatos, ainda é uma caixa, só que imaginária.

  • Os gatos não têm a capacidade de apreciar todo o sabor das guloseimas. O fato é que seu DNA não contém aminoácidos, que são responsáveis ​​pela percepção dos doces pelas papilas gustativas. Portanto, se seu animal de estimação gosta de sorvete ou requeijão, ele é mais atraído pelo valor nutricional do que pelo seu sabor.

  • Se o gato for branco com manchas pretas e vermelhas, então a probabilidade de ser fêmea é de 99,9%. Gatos machos dessa cor são extremamente raros e inférteis. Essa coloração nos machos é o resultado de uma anomalia genética.

  • Alguns veterinários afirmam que existe uma correlação entre a cor da pelagem de um gato e seu temperamento. Por exemplo, gatos ruivos costumam ser extrovertidos, enquanto gatos com pelagem tricolor mostram mais independência.

Você tem um gatinho de estimação? Ele também tem paixão por caixas de papelão? Comente.

Imagem de capa ariap707 / Twitter
Compartilhar este artigo